Bíblia do Caminho Testamento Kardequiano

Revista espírita — Ano I — Dezembro de 1858

(Édition Française)

Conversas familiares de além-túmulo


Uma viúva do Malabar n

Desejávamos interrogar uma dessas mulheres da Índia,  †  obrigadas a se queimarem sobre os corpos dos maridos. Não conhecendo nenhuma delas, tínhamos pedido a São Luís que nos enviasse uma que pudesse responder às nossas perguntas de maneira satisfatória. Ele nos respondeu que o faria de bom grado dentro de algum tempo. Na sessão da Sociedade, do dia 2 de novembro de 1858, o Sr. Adrien, médium vidente, avistou uma, disposta a falar, e da qual nos deu a seguinte descrição:

Olhos negros e grandes; escleróticas levemente amareladas; rosto arredondado; faces salientes e gordas; pele amarelo-açafrão; cílios longos e supercílios arqueados e negros; nariz um pouco grande e levemente achatado; boca grande e sensual; belos dentes, grandes e bem-dispostos; cabelos lisos, abundantes, negros e engordurados. Corpo obeso e rechonchudo, envolvido por fino tecido de seda, deixando à mostra a metade do peito. Pulseiras nos braços e pernas.


1. Lembrais mais ou menos em que época vivestes na Índia e onde fostes queimada com o corpo de vosso marido?

Resposta. – (Ela fez um sinal, dando a entender que não se lembrava.) – São Luís responde que foi há cerca de cem anos.


2. Lembrais o nome que tínheis?

Resposta. – Fátima.


3. Que religião professáveis?

Resposta. – A maometana.


4. Mas o maometanismo não reprime tais sacrifícios?

Resposta. – Nasci muçulmana, mas meu marido pertencia à religião de Brahma. Tive de me conformar com os costumes do país onde morava. As mulheres não se pertencem.


5. Que idade tínheis quando morrestes?

Resposta. – Creio que 20 anos, aproximadamente.


Observação – O Sr. Adrien observou que ela aparentava vinte e oito a trinta anos; mas que naquele país as mulheres envelhecem mais depressa.


6. Vosso sacrifício foi voluntário?

Resposta. – Preferia ter-me casado com outro. Refleti bem e concebereis que todas pensamos do mesmo modo. Segui o costume, mas, no fundo, teria preferido não o fazer. Esperei vários dias por outro marido, mas ninguém apareceu; então obedeci à lei.


7. Que sentimento poderia ter ditado essa lei?

Resposta. – Ideia supersticiosa. Ao nos queimarem, imaginam agradar à Divindade; que resgatamos as faltas daquele que acabamos de perder e que vamos ajudá-lo a viver feliz no outro mundo.


8. Vosso marido ficou satisfeito com o sacrifício?

Resposta. – Jamais procurei revê-lo.


9. Há mulheres que assim se sacrificam de livre vontade?

Resposta. – Poucas; uma em mil. No fundo elas não desejariam fazê-lo.


10. O que se passou convosco no momento em que se extinguiu a vida corporal?

Resposta. – Perturbação; experimentei uma espécie de nevoeiro e depois não sei o que aconteceu. Minhas ideias não se aclararam senão muito tempo depois. Ia a toda parte, mas não via bem; e ainda agora não me sinto inteiramente esclarecida; tenho muitas encarnações a sofrer, a fim de me elevar; mas não me queimarei mais… Não vejo necessidade de me queimar, de lançar-me no meio das chamas para me elevar…, sobretudo por faltas que não cometi; depois, isto não me agradou. Aliás, eu nunca procurei saber. Proporcionar-me-íeis grande prazer se orásseis por mim, pois agora compreendo que somente a prece é capaz de fazer-nos suportar corajosamente as provações que nos são enviadas… Ah! se eu tivesse fé!


11. Pedis que oremos por vós; como somos cristãos, nossas preces poderiam vos ser agradáveis?

Resposta. – Não há senão um Deus para todos os homens.


Observação – Em várias sessões seguidas a mesma mulher foi vista entre os Espíritos que as assistiam. Disse que vinha para instruir-se. Parece que foi sensível ao interesse que lhe testemunhamos, porque nos seguiu várias vezes em outras reuniões e, até mesmo, na rua.



[Nota: No artigo dedicado exclusivamente ao médium vidente Sr. Adrien, Allan Kardec diz o seguinte: “O Sr. Adrien é o mais poderoso auxiliar que temos visto… sua faculdade e a sua complacência foram postas ao serviço de nossa instrução pessoal, quer na intimidade, quer nas sessões da SOCIEDADE, quer, enfim, em visitas a diversos locais de reuniões. Estivemos juntos em teatros, em bailes, em passeios, em hospitais, nos cemitérios e nas igrejas; assistimos a enterros, a casamentos, a batizados e a sermões.”]


[1] Malabar - também conhecida como Costa do Malabar  - é uma região situada na costa sudoeste da península indiana e constitui a parte norte do atual estado de Kerala.  † 


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir