Testamento Xavieriano - Diálogo dos vivos - Capítulo 27

Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Diálogo dos vivos — Autores diversos — F. C. Xavier / J. Herculano Pires


27


Os poetas e o incêndio

.Francisco Cândido Xavier


Os poetas Cyro Costa e Cornélio Pires manifestaram-se pela psicografia, como já dissemos anteriormente, n oferecendo-nos visão nova do terrível acidente. Ambos os poetas trouxeram-nos grande conforto. Nossa troca de impressões sobre o acontecimento doloroso, antes da manifestação dos poetas, revelava o grande abalo que todos sofrêramos.

Concordamos todos em colocar os sonetos em suas mãos, na ideia de que possam consolar outros irmãos, cujos sentimentos estejam mais diretamente ligados à provação que nos atingiu a todos.


nOTA — O soneto de Cyro Costa, que revela os motivos cármicos de tantas mortes no incêndio, está publicado no capítulo anterior. ( † )

Neste capítulo reproduzimos o de Cornélio Pires, o poeta de Tietê, de saudosa memória, que nos dá uma dupla visão da dolorosa ocorrência.


INCÊNDIO EM SÃO PAULO


.Cornélio Pires

1 Céu de São Paulo… O dia recomeça…

O povo bom na rua lida e passa…

Nisso, aparece um rolo de fumaça

E o fogo para cima se arremessa.


2 A morte inesperada age possessa,

E enquanto ruge, espanca ou despedaça,

A Terra unida ao Céu a que se enlaça

É salvação e amor, servindo à pressa…


3 A cidade magoada e enternecida

É socorro chorando a despedida,

Trazendo o coração triste e deserto…


4 Mas vejo, em prece, além do povo aflito,

Braços de amor que chegam do Infinito

E caminhos de luz no céu aberto…


ALMAS LIBERTAS


.Irmão Saulo


Tudo se encadeia no Universo, explicam os Espíritos na obra básica da doutrina. ( † ) Nada acontece por acaso. Há em tudo uma sequência natural de causas e efeitos, de ação e reação. Cyro Costa nos deu em seu soneto ( † ) as raízes da tragédia do Joelma. Cornélio Pires nos relata as consequências. Temos assim uma visão em três tempos da catástrofe que seria absurda, ininteligível, sem os esclarecimentos proporcionados pela comunicação mediúnica.

A ocorrência não se torna menos dolorosa, mas a consolação é levada a muitos corações desesperados. Saber que os entes queridos não pereceram ao acaso nem desapareceram nas cinzas, mas foram socorridos por amigos espirituais e estão a caminho de recuperação nos planos superiores da vida, é aliviar o coração e desafogar a alma. Muitos perguntarão: E as provas de tudo isso? E quantos, ao fazer a pergunta, já obtiveram a resposta pela intuição da realidade que trazem em si mesmos, nas profundezas misteriosas da consciência.

O soneto de Cornélio Pires é descritivo, como era de seu estilo tão conhecido de todos. O poeta busca socorro nas reticências, nos três pontinhos que, sem mudar de aparência, mudam de significação em cada verso. Todo o quadro da tragédia foi apanhado nesses catorze versos de um decassílabo modesto, mas preciso. Não há uma pincelada a mais nem a menos. E a última reticência ( † ) é uma abertura para tudo aquilo que a palavra não pode traduzir.

Das terríveis guerras das Cruzadas, [vide comentário anterior: Resgates a longo prazo] em nome de Cristo, as almas enclausuradas em reencarnações sucessivas vieram imolar-se no último sacrifício. Em breves momentos de desespero e dor libertaram-se do passado para librar-se a Planos superiores da vida. Aliviaram para sempre suas consciências doloridas. Almas libertas, podem agora prosseguir nos caminhos da evolução espiritual sem cair em novos enganos. Possuem a experiência maior. Amadureceram para a imortalidade. Ontem queriam servir a Deus a ferro e fogo. Hoje compreendem que só o amor nos livra das ciladas do egoísmo e da arrogância e nos prepara de maneira eficiente para os serviços de Deus.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir