Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

O Evangelho de Chico Xavier — O próprio (Encarnado)


283 e 284


Os companheiros na formação de um Grupo Espírita

1 Não precisamos esperar a formação de um Grupo espírita para recepção de pessoas santas; vão chegar primeiro os mais infelizes; vão contar as mágoas, às vezes até os seus crimes; vêm atrás de amor… 2 A Bondade de Deus não determina o extermínio de ninguém. “Misericórdia quero, não sacrifício”. ( † ) O Senhor nos pede misericórdia, não crítica, não preguiça… 3 Estamos com uma Doutrina de muito serviço, então vamos trabalhar sem espírito de antagonismo, reprovação. Aquele que vem até nós é nosso irmão, nossa irmã.


4 Os companheiros mais fiéis são aqueles que aceitamos na condição em que vieram a nós. 5 Jesus não exigiu que ninguém se modificasse… À mulher adúltera, disse: “Vai e não peques mais”… ( † ) Não fez sermão, não censurou, não perguntou com quem ela havia caído… 6 A Paulo de Tarso, em pleno deserto escaldante, pediu que não recalcitrasse contra os aguilhões… ( † ) Era impossível resistir ao amor daquele Homem! 7 No Evangelho não existe um moralismo farisaico; a mensagem do Cristo é de elevação, de compreensão do erro, de incentivo a quem deseja ser melhor… 8 Quem olhar para dentro de si não terá coragem de olhar a alguém na condição de pecador! 9 Precisamos destacar o valor dos companheiros; não acredito que companheiro espírita algum possa estar na Doutrina mal intencionado… 10 O confronto com nós mesmos é difícil! Às vezes, não temos coragem de nos enfrentar… Acusamos os outros, para que a observação alheia não se demore sobre nós, detectando-nos o problema…


Chico Xavier


.

Abrir