Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Excursão de paz — Autores diversos


18


Cantoria do Progresso

  1 Este improviso de hoje

  Nem sei mesmo se começo,

  Quando a estrada é de ciência,

  Onde não caio, eu tropeço,

  Amigos querem que eu faça

  A cantiga do progresso.


  2 Só se conserva um criado

  Quando mostra serventia,

  Se meus patrões é que mandam,

  Não fujo da cantoria,

  Deus me perdoe se obedeço

  Cantando por teimosia.


  3 Sei tanto de evolução

  Quanto o burro da carroça,

  Ou quanto o pingo de areia

  Entende de maré grossa,

  Por isso, ninguém critique

  A minha lira da roça.


  4 Olhando o mundo de hoje

  Com tanta briga e fuá

  No povo correndo aqui,

  Depois correndo acolá,

  Se há plantação de progresso,

  Não sei o fruto que dá.


  5 Na casa de antigamente,

  Assim que o sol se escondia,

  Enxada e engenho paravam,

  A gente se reunia,

  A paz marcava a oração

  Na hora da ave-maria.


  6 Hoje em dia, a barulhada

  Não se sabe quando cessa,

  Ninguém quer ouvir alguém,

  Sossego não interessa,

  É quase toda pessoa

  Dependurada na pressa.


  7 Existia, em outro tempo,

  Serenata à luz da lua,

  Modinhas ao violão,

  Tranquilidade na rua,

  Mas agora, em muita festa

  Aparece gente nua.


  8 A pinga sempre foi brasa,

  Ninguém nega que isso havia,

  Mas hoje é povo demais

  Em loucura e fantasia,

  Comprimidos e erva brava

  Matando a muitos por dia.


  9 Embora a proibição

  No regime mais severo,

  Em qualquer dor de cabeça

  Que passe um pouco de zero,

  Muita gente grita logo:

  “Bolinha pra que te quero!…”


  10 A gente gastava tempo

  Andando a pé nos gerais,

  Hoje avião vence em horas

  Distâncias descomunais,

  Mas se um deles cai no chão

  Mata cem e, às vezes, mais.


  11 Em outro tempo, de noite,

  Luz era quase visagem,

  Agora, os focos no alto

  Clareiam qualquer paisagem

  E quanto mais luz brilhando,

  Mais força na malandragem.


  12 Arroz e milho pilados

  Criavam pratos de monta,

  Hoje as máquinas produzem

  Primores de mesa pronta,

  Mas deixam, por onde servem,

  Desastres que ninguém conta.


  13 Hoje em dia, há tanta escola

  Quanto a riqueza se expande,

  No entanto, por mais polícia

  Que nos vigie e comande,

  Não há cadeia que chegue

  Para os irmãos de mão grande.


  14 De grandeza e evolução

  Por muito a Terra se gabe,

  O que se anota é capricho

  Mesmo que a ordem desabe,

  Se agitação é progresso

  Só Deus, no Céu, é que sabe.


.Leandro Gomes de Barros


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir