Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Indulgência — Emmanuel


5


Proteção

1 No limiar da experiência física, a consciência responsável roga à Providência Divina a proteção real de que necessita, com vistas à própria redenção nos Planos da luz eterna.

2 Há quem rogue a mudez para resgatar débitos contraídos no verbo desvairado.

3 Há quem peça a cegueira para recompor no campo íntimo a reflexão viciada.

4 Surge quem pede a fealdade para não cair em velhas seduções da máscara transitória.

5 Surge quem roga a mutilação para saldar dívidas clamorosas, assumidas no mundo com a liberdade dos movimentos.

6 Há quem suplica o infortúnio do corpo para corrigir os abusos da alma e há quem reclama a pobreza para fugir às tentações do ouro em excesso.

7 Entretanto, atravessada a porta do berço, a alma retoma as tendências antigas que lhe presidiram no passado a estranha felicidade da sombra e modifica os petitórios, exigindo reconforto e vantagens terrestres e recusando o remédio que lhe poderia restituir a saúde espiritual.

8 Se acordaste, assim, para a realidade, não relegues a cruz salvadora de tuas inibições à furna do desespero.

9 Suporta as dificuldades com amor na certeza de que a morte virá um dia aclarar te o pensamento e devolver-te a visão.

10 É natural solicites socorro à Infinita Bondade, no entanto, não rogues serviço conforme a tua capacidade, mas, sim capacidade segundo o serviço que te compete.

11 Recorda que a dor, a luta, a enfermidade e o desencanto são instrutores da verdade que nos salvará, soberana, e por isso, transportando contigo o madeiro de tuas penas, pede ao Senhor ombros fortes para sustentá-lo, de vez que, qual aconteceu com o Divino Mestre, é dos braços de tua própria cruz que desferirás o voo divino à Vitoriosa Imortalidade.


.Emmanuel


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir