Bíblia do Caminho Testamento Xavieriano

Palavras sublimes — Autores diversos


67


A cruz

1 Disse o homem à cruz que o constrangia:
— Detestável prisão ingrata e feia,
Atormentas minh’alma que te odeia,
Escarneces meus sonhos de alegria!


2 Que fogo pavoroso te incendeia?
Que te fez para o inferno da agonia?
Por que me prendes, pedra horrenda e fria,
Ao teu corpo que lágrimas ateia?


3 A cruz, porém, clamou serena e certa:
— Sou a chave de dor que te liberta
Do abismo que estendeste a toda parte!


4 Não me percas na sombra de teus dias.
Sem meus braços, jamais alcançarias
O Senhor que me fez para salvar-te! n


.Antero de Quental




Reformador —  Dezembro de 1948.


[1] Consta do original a informação de que esse soneto foi psicografado em 15 de dezembro de 1948, em Belo Horizonte.


Citação parcial para estudo, de acordo com o artigo 46, item III, da Lei de Direitos Autorais.

.

Abrir